Aproveitamento Gourmet

gourmet

Se há coisa que adoro é o facto de conseguir abrir a despensa e desencantar um jantar cheio de graça com o que houver. Mesmo. E parece que quanto menos coisas há e maior se torna o desafio mais entusiasmada fico em vencê-lo.

No outro dia tinha pouco tempo para fazer o jantar antes do banho da caganita e queria fugir do ‘arroz com bife’, primeiro porque não tinha bife, nem peixe- o grande desafio, e depois porque desde o nascimento da MR que só consigo ver programas genéricos na tv sem correr o risco de desatar a chorar. E por genéricos fico-me pelos programas gastronómicos, os únicos onde não há sempre alguém cheio de sentimentos (como diz o Ricardo Araújo Pereira) a sentir montes de coisas, ou alguém com uma doença terrível e por isso, mesmo nos canais de história e de natureza fico sempre a pensar que aquela população era uma comunidade que ficou destroçada ou uma gazela que tinha família… bahhh… como disse, programas de comida, gente a cozinhar, é a única coisa que consigo ver agora sem me angustiar. E como dizia atrás, tinha visto um desses programas em que toda a gente comia coisas maravilhosas e apetecia-me ‘algo’. E por ‘algo’ refiro-me a um prato de comida mais nutritivo que um Ferrero Rocher.

Então basicamente tinha massa, batatas, legumes congelados, cebola, ervilhas, pão a precisar de ser consumido e ovos. Também tinha leite condensado, leite, iogurtes, açúcar, cereais, farinha e café (para não pensarem que a minha despensa estava assim tão mal). Mas vou só contar com aquilo que fazia sentido para uma refeição de almoço/ jantar.

Concentrei-me então num hidrato de carbono, o pão, que tinha mesmo de ser consumido, afiambrei-me  aos legumes, escolhi os ovos como proteína (que remédio) e vamos lá disto!

*

Ingredientes,

.1 pão de mistura (formato papo-seco)

.1 cebola

.1 tigela de legumes congelados

.2 batatas médias

.1 tigela de ervilhas

.2 ovos

.azeite, sal, alho e orégãos q.b.

.manteiga e nós-moscada q.b.

Preparação,

Começar a cozer a batata descascada com as ervilhas numa panela com metade da sua capacidade cheia de água e um pouco de sal. Numa frigideira coloca-se um fio de azeite, alho picado ou em pó, sal e orégãos (é a minha base para saltear o que quer que seja). Deita-se a cebola grosseiramente cortada. Cortar o pão em 4, primeiro em 2 metades como se preparássemos uma sande e depois cada uma dessas metades em 2. Em dois pratos (fiz a receita para dois) colocar 2 quartos do pão (deixar em cada prato uma parte de cima e uma de baixo do papo-seco). Retirar a cebola e colocar nos pratos por cima de um dos quartos do pão. Na mesma frigideira colocar os legumes (já descongelados, se necessário levar uns minutos ao micro-ondas na potência máxima), repor sal, azeite, alho e/ou orégãos se necessário, e salteá-los até estarem tenros. Deitá-los sobre a camada de cebola, já nos pratos. Entretanto despejar a água de cozer as batatas e ervilhas, reservar uma parte numa tigela,deitar uma colher de chá de manteiga magra, uma pitada de nós moscada no preparado e esmagar tudo com um esmagador. Colocar este puré sobre os legumes já nos pratos. Na frigideira dos legumes deitar a água das batatas e estrelar lá os ovos, um de cada vez 🙂 Colocar o ovo sobre o quarto de pão que estava no prato à espera de alguma coisa. Servir logo e ouvir os elogios, ‘Xii, espetacular, que prato giro, e inventado por ti, fazes tanto com tão pouco, és o máximo!’ e tal… Claro que quem tiver a despensa mais farta pode acrescentar um fiambrinho, queijo, azeitonas, hamburguer, vale tudo…

*

Entretanto sobrou bastante do puré de batatas com ervilhas e por isso ontem cozi umas postas de peixe para acompanhar o preparado. No entanto resolvi dar-lhe uma nova vida por isso fiz umas bolachas com o puré, envolvi bem em pão ralado e levei-as ao forno a 180º. depois de tostarem um pouquinho viro-as do outro lado para ficarem uniformes. Uns 15 minutos são suficientes e ficaram mesmo boas! Nem sabia bem o que ia sair dali, confesso, mas ficaram super crocantes por fora e fofinhas por dentro 🙂 Tão bom! Quando servi reguei peixe e bolachinhas com um fiozinho de azeite, nham!

Para hoje nem dá tempo para nada, o Z compra frango assado e eu preparo a salada. Para ser ligeiro nem acompanhamos com mais nada, só frango e salada, mas para que não seja um prato aborrecido deitei uma romã na salada. Dá-lhe um toque de cor e frescura e é a vida que falta ao frango que já não tem surpresa nenhuma. E assim saímos deste regime de legumes e peixe e entramos outra vez no vício da carne 🙂

Bom proveito 🙂